Back to the list

Vanessa e Ivo: “um casamento não segue um guião”

São a Vanessa e o Ivo, feitos de sal, mar e amor. São também reconhecidos como um dos melhores videógrafos de casamento da Europa. Por isso, não é de estranhar que nos cruzemos com o trabalho deles no Style Me Pretty ou na JuneBug Weddings. Definem o vídeo de casamento como uma “máquina do tempo” com uma “explosão de sensações”. Em três palavras descrevem o trabalho que fazem como “íntimo, romântico e intemporal”. Com a Plano A partilham a crença que “um casamento é sempre um casamento”, a “história de um casal que se ama muito”. No fundo trocar as alianças, cortar o bolo ou dançar uma música especial, não é o mais importante, mas sim celebrar o amor. Para além de ser uma celebração do amor, um casamento é sempre uma festa, à qual a Vanessa e o Ivo procuram “pertencer”. As memórias mais felizes de ambos são de casamentos onde foram incluídos na família, dançaram com os convidados e, claro, comeram bolo da noiva. 

Em entrevista à Plano A, salientam a importância do som e da iluminação, para que “no final o filme fale por si”. No Youtube partilham não só dicas de edição, aprendidas ao longo de oito anos a filmar casamentos, mas também conselhos sobre a gestão de clientes ou truques para backups. Em oito anos muito mudou, mas, garantem a Vanessa e o Ivo, a visão de ambos continua a mesma. “Já são algumas centenas de casamentos juntos, e às vezes uma troca de olhares basta para o outro saber o que tem de fazer”, contam-nos e nós sabemos bem do que falam. 



Plano A: “Porquê ter vídeo de casamento?” é o título de um artigo recente no vosso blog. Em conversa com um cliente da Plano A há uns anos (curiosamente um profissional da área do audiovisual), ele disse-nos que não achava o vídeo de casamento essencial, dado que as emoções daquele dia deviam ser partilhadas apenas por quem as presenciou. Agora faço-vos a mesma pergunta: porquê ter vídeo de casamento? 

Vanessa & Ivo: O vídeo de casamento é uma máquina do tempo. Quantos de nós ao ver um filme na televisão ou no cinema entram naquele mundo de ficção e sentem que viveram o mesmo do que o protagonista? O filme de casamento leva-nos de novo àquele dia e conseguimos viver tudo de novo (e ainda ver algumas coisas que nos escaparam no meio de tantos beijos e abraços).Muitos noivos pensam que ter fotografia é suficiente, mas na verdade o vídeo e a fotografia são formatos totalmente diferentes e há coisas que só conseguimos reviver através do vídeo, com a ajuda do movimento e do som. O poder da montagem também é algo muito forte, e que não existe na fotografia. Cada fotografia vive isolada no tempo, mas no vídeo temos o poder de juntar dois planos e atribuir-lhes um significado muito superior ao que cada imagem tem em separado. Junta-se a música certa ou um bocadinho de um discurso ou dos votos, e temos uma explosão de sensações. É verdadeiramente mágico

Plano A: A Vanessa vem do teatro e o Ivo do cinema. Como chegaram ao mundo dos casamentos em 2012? 

Vanessa & Ivo: O Ivo trabalhou numa produtora de cinema e foi professor universitário no curso de cinema. Os filmes de casamento surgiram por pedido de fotógrafos da região e rapidamente lhe apanhamos o gosto. Eu, Vanessa, trabalhei na comunicação e produção de uma companhia de teatro e ajudava na comunicação e produção na produtora de cinema. De repente, vimos a oportunidade de ficar com todos os trabalhos de vídeo de casamento da produtora e de mudarmos de cidade. Assim nasceu a Something Blue da Vanessa e do Ivo. 


Plano A: Querem recordar o primeiro casamento que filmaram em 2012?

Vanessa & Ivo: Na altura não tínhamos grandes referências em Portugal. O vídeo de casamento estava realmente muito atrasado comparado com o que fazia nos EUA, por exemplo. A Vanessa ia mostrando ao Ivo coisas que via em blogues como o Green Wedding Shoes, e num instante percebemos que havia muito mais no filme de casamento que aquilo que crescemos a ver nos vídeos dos nossos familiares.Como o Ivo vinha do cinema, e nunca tínhamos trabalhado em casamentos, tentamos transportar algumas das coisas que se faziam nessas produções. Então acabamos por levar uma equipa de cinco pessoas, cada uma com funções muito específicas, e uma carrinha cheia de material. Rapidamente percebemos que era demais, e que um casamento tem tanto de repetitivo como de imprevisível. Quando dizemos que todos os casamentos são diferentes, é mesmo verdade. Por mais que tentemos, um casamento não segue um guião e estamos a lidar com pessoas reais e não com personagens feitas à medida das nossas necessidades.Então nos anos seguintes tentamos trazer as coisas que gostamos de ver no cinema (nada melhor que uma boa história, uma boa montagem com o ritmo certo para cada momento, uma boa banda sonora), as nossas competências técnicas (o áudio é fundamental e tantas vezes esquecido), e as coisas que queremos mostrar nos nossos filmes (a essência de um dia, que por mais produção possa ter, não deixa de ser um casamento), e misturá-las em algo que - esperamos nós - seja verdadeiramente intemporal.Hoje, oito anos depois daquele primeiro casamento, continuamos com a mesma visão. 


Plano A: Dizem comer sempre bolo e que é natural que os noivos vos encontrem a roubar um canapé. Para um bom vídeo de casamento, é importante viver a essência da festa? 

Vanessa & Ivo: Uma festa de casamento é vivida de formas diferentes por cada convidado. Nós gostamos de a viver como um amigo próximo aos noivos - com excitação, a ver tudo como se fosse a primeira vez - mas com atenção àqueles pormenores que sabemos que vão contar a história daquele dia. E sim, não resistimos a boa comida, ao bolo de casamento e ocasionalmente a uma caipirinha. As nossas memórias mais felizes são de casamentos onde nos incluíram na família, nos contam histórias e ainda vêm dançar connosco. Isto permite-nos passar despercebidos e captar sorrisos (e às vezes lágrimas) que facilmente seriam escondidos. Mas já não somos “os do vídeo”, somos a Vanessa e o Ivo que há cinco minutos estavam a comer um canapé e a ouvir a história do tio Júlio que ensinou a Teresa a nadar. 


Plano A: Não usam muitas luzes, flashes ou tripés no dia do casamento. É um pormenor que fazem questão de reforçar. Consideram que ser discreto é uma das características mais importantes para um videógrafo de casamentos? 

Vanessa & Ivo: Para além de querermos ser “discretos”, nós queremos “pertencer”. Discreto para alguns poderá ser estar vestido totalmente de preto, mas para nós discreto é estar vestido de acordo com o evento. Isto pode significar roupa com cores e padrões bonitos, mas de forma a que se aparecermos numa fotografia do fotógrafo ou, como somos dois a filmar, nas imagens um do outro, à primeira vista somos apenas mais um convidado.Outra razão para evitarmos usar muito material num casamento é para podermos estar leves e sem grande pegada. Facilmente mudamos de local consoante as necessidades, e se alguma coisa acontecer de repente e sem aviso estamos prontos mais facilmente.Isto não quer dizer que não usamos uma variedade de equipamento e que não temos o carro cheio de tralha. Queremos estar prontos para qualquer eventualidade, mas sempre o mais leves possível. 


Plano A: Acreditam que uma boa iluminação e um bom som são dois elementos decisivos num bom vídeo de casamento? 

Vanessa & Ivo: Sim, sem dúvida! Podemos brincar e dizer que não conseguimos contar uma história se não conseguirmos ver nem ouvir os personagens, não é? Uma boa luz não é só uma luz que ilumine muito, mas uma luz que ilumine bem de acordo com as necessidades. Às vezes um recorte ou uma silhueta contam melhor uma história que um foco industrial. O mesmo relativamente ao som - tudo depende da situação e das necessidades para a história. Não gravamos o som de uma cerimónia da mesma forma que um discurso num jantar, por exemplo. As coisas acontecem tão rapidamente num casamento que muitas vezes mais importante que termos o melhor equipamento é conseguirmos antecipar e adaptar. Isto são nuances que os noivos não têm necessidade de saber, mas queremos que no final o filme fale por si.7. 


Plano A: Que momentos e imagens consideram ser essenciais num vídeo de casamento? 

Vanessa & Ivo: Não nos podemos esquecer que um casamento é um evento real para os noivos, família e convidados. Por mais que queiramos controlar as coisas, a maior parte está fora do nosso controlo. Por isso a nossa mentalidade é aparecer num casamento com o máximo de informação possível de antemão, mas sempre prontos para que tudo se desvie do planeado. No dia podemo-nos aperceber de uma dinâmica familiar que desconhecíamos, ou surge num discurso algo incrível que de repente se torna o fio condutor daquela história. É impossível prever. De qualquer forma a nossa experiência tem-nos preparado para estarmos atentos e sempre disponíveis a mudar de planos, daí também preferimos trabalhar em equipa, quase sempre nós os dois. Já são algumas centenas de casamentos juntos, e às vezes uma troca de olhares basta para o outro saber o que tem de fazer.No entanto um casamento é sempre um casamento. É a história de um casal que se ama muito, que escolheu um sítio especial para celebrar o seu amor junto da família e amigos. Estas são as nossas personagens principais (casal, família, amigos, local). A partir daqui temos de estar atentos às relações que estes personagens têm entre eles. Pelo meio preparam-se, trocam alianças, lançam pétalas, cortam um bolo e dançam uma música especial, mas no fundo não é isso o mais importante. 

Plano A: 2020 foi um ano “atípico”, no mínimo, para esta indústria. Que lições vos ensinou este ano e como é que este período poderá afetar de forma positiva o vosso futuro?

Vanessa & Ivo: Cingindo-nos apenas ao foro profissional, percebemos que o diálogo entre fornecedor de serviços e cliente é muito importante. Nós sempre tentamos ter uma relação próxima, mas estes acontecimentos fizeram-nos lembrar que somos todos apenas pessoas. Todos temos as nossas histórias, necessidades, sonhos, etc. Quando tudo corre bem as relações não são colocadas em stress, mas quando surge algo tão imenso como esta pandemia, percebemos que sem diálogo somos apenas mais um fornecedor de serviços e o cliente é só mais um cliente.Claro que há outras aprendizagens - responsabilidade financeira, gestão de portfólio, gestão de expectativas, etc. Mas a relação com o cliente tem sempre de ser especial


Plano A: Ao longo destes oito anos a fazer vídeos de casamentos, que trabalhos vos marcaram? 

Vanessa & Ivo: Vários! O primeiro casamento é sempre especial, a primeira ida ao estrangeiro também. As pessoas que vamos conhecendo e que ficam sempre associadas a um ou outro trabalho. Casais que se tornaram amigos e que fomos acompanhando o crescimento da família. 


Plano A: Há algum insólito ou peripécia que tenha acontecido durante um casamento e do qual se lembrem com frequência?

Vanessa & Ivo: Tentamos lembrar-nos só dos engraçados - já tivemos duas noivas que pegaram fogo ao vestido (uma delas a entrar na igreja). Uma vez o Ivo estava a tentar fazer uma imagem, enfiou-se numa poça de lama e acabou a noite nos balneários de uma piscina a tentar limpar as sapatilhas no duche (a partir desse dia levamos sempre uma troca de roupa para os casamentos). De vez em quando os nossos aniversários coincidem com um casamento e já alguns noivos nos prepararam surpresas. Uma vez em Barcelona tivemos de colocar equipamento no lixo do aeroporto porque ficava mais barato comprar de novo em Portugal do que pagar a taxa do peso excedentário. Recentemente uma cara conhecida da TV tentou ensinar o Ivo a descascar um caranguejo. Mas houve muitas mais. 


Plano A: Que sonho profissional sentem que ainda vos falta concretizar?

Vanessa & Ivo: Temos vários - há muitos sítios onde gostávamos de trabalhar e muitas pessoas com quem nos queríamos cruzar, mas assim de repente falta-nos trabalhar na Ásia/Oceânia para termos filmado em todos os continentes.  

Texto: Inês Duarte de Freitas

Imagens: Vanessa & Ivo